ANS aprova ajuste de 15,5% nos planos de saúde, maior aumento desde 2000

Atualizado em -

ANS aprova ajuste de 15,5% nos planos de saúde, maior aumento desde 2000 Pexels
► Petrobras vende a refinaria LUBNOR por US$ 34 milhões ► Dinheiro na poupança perde poder de compra e rende abaixo da inflação há quase dois anos► Receita Federal bate recorde de arrecadação em abril: R$ 195 bilhões

A Agência Nacional de Saúde (ANS) teve o reajuste de 15,5% para os planos de saúde individuais e familiares aprovado em reunião de Diretoria Colegiada e pelo Ministério da Economia. O ajuste será aplicado no período de maio de 2022 até abril de 2023. Este é o maior aumento desde 2000, início da série histórica.

De acordo com comunicado emitido pela ANS, o aumento nas tarifas englobará cerca de 8 milhões de contratos, o que representa 16,3% do total de consumidores de planos de saúde no país.

Para chegar ao percentual de 2022, a ANS utilizou a metodologia de cálculo que vem sendo aplicada desde 2019, que combina a variação das despesas assistenciais com o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Desta forma, o cálculo é baseado na diferença das despesas com planos de saúde entre 2021 e 2020.

“Dessa forma, o índice de 2022 resulta da variação das despesas assistenciais ocorridas em 2021 em comparação com as despesas assistenciais de 2020”, afirmou a Agência.

Vale ressaltar que, em 2021, o ajuste foi negativo pela primeira vez, com uma redução de 8,19%.

Com o aumento nas mensalidades, a categoria de saúde e cuidados pessoais, que já pesou no bolso do brasileiro neste mês segundo o IPCA-15, deve ficar ainda mais pressionado. Segundo a Federação Nacional de Saúde Complementar, o reajuste reflete a alta nos custos do setor de saúde e que o percentual anunciado já era esperado.

Relacionados:

► Petrobras vende a refinaria LUBNOR por US$ 34 milhões ► Dinheiro na poupança perde poder de compra e rende abaixo da inflação há quase dois anos► Receita Federal bate recorde de arrecadação em abril: R$ 195 bilhões

Leia mais: