Setor imobiliário em alta: fundos de investimento e startups ganham destaque no mercado

Atualizado em -

Setor imobiliário em alta: fundos de investimento e startups ganham destaque no mercado Shutterstock
► Fundo imobiliário CSHG negocia primeiras unidades acima do valor esperado► O poder das startups brasileiras: número de 'unicórnios' aumenta e investimentos batem recorde► Prévias de resultados das construtoras no 4T21 apontam para descasamento com preço das ações

O setor imobiliário está em alta no país. Para quem investe, os fundos de investimento ganharam destaque como boas opções de aplicação de recursos. Para quem acompanha o universo das startups, o potencial das chamadas "real state" ou "proptechs" foi elevado em 2021 com investimentos de aproximadamente US$ 1,07 bilhão. Além disso, as prévias dos resultados trimestrais das construtoras mostram que o setor teve um desempenho muito positivo nos últimos meses do ano.

Fundos imobiliários

Se você já investe e ainda não havia pensando nos fundos imobiliários como uma opção, saiba que esse é um bom momento para incluir esse tipo de investimento na sua carteira.

Os Fundos de Investimento Imobiliários (FIIs) são formados por um condomínio fechado de investidores que querem aplicar seus recursos em empreendimentos imobiliários, como na construção de prédios ou em imóveis já prontos (edifícios comerciais, shopping centers e hospitais). Esses ativos são obrigados a distribuir 95% do que arrecada para os cotistas.

Além de diversificar suas aplicações, os fundos imobiliários trazem vantagens importantes. Ao investir em fundo imobiliário (que pode ser de tijolo ou de papel), você está colocando seu dinheiro em um imóvel, mas não terá as dificuldades de lidar com um inquilino, por exemplo, como aconteceria se você alugasse um imóvel próprio.

Na última semana, uma decisão da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) atingiu o Maxi Renda (MXRF11), maior fundo imobiliário do país em número de cotistas. O colegiado da CVM chegou ao entendimento, em decisão não unânime, de que um FII não pode distribuir mais dividendos do que o lucro acumulado pela carteira. Se essa decisão se aplicar a outros fundos, uma mudança importante acontecerá: se não houver lucro contábil, o FII terá de distribuir aos investidores uma amortização de capital, com cobrança de imposto.

Quer aprender a investir em fundos imobiliários e viver de renda? Faça o curso prático do Mercado1Minuto disponível aqui.

Startups

De olho no crescimento do setor, startups que atuam na área imobiliária estão inovando e recebendo grandes investimentos. Em 2021, foi investido R$ 1,07 bilhão nas chamadas “proptechs”.

Segundo um levantamento feito pela empresa de venture capital Terracotta, os últimos cinco anos apresentaram um crescimento de 235% no número de startups ativas atuando no setor imobiliário. Em 2021, eram 839 startups ativas atuando com projetos, aquisição, construção e propriedades em uso.

Entre as startups de destaque no país está o Quinto Andar, que já faz parte da lista de unicórnios e revolucionou o setor ao investir em tecnologia e simplicidade para o processo de locação de imóveis.

Construtoras

Como o Mercado1Minuto mostrou aqui, as prévias operacionais divulgadas por diversas incorporadoras em relação ao quarto trimestre de 2021 têm apontado bons resultados no geral, surpreendendo o mercado.

As construtoras se beneficiaram de um mercado aquecido. No entanto, muitas registraram um crescimento dos estoques, e agora terão o desafio de vender os imóveis neste ano de 2022.

Relacionados:

► Fundo imobiliário CSHG negocia primeiras unidades acima do valor esperado► O poder das startups brasileiras: número de 'unicórnios' aumenta e investimentos batem recorde► Prévias de resultados das construtoras no 4T21 apontam para descasamento com preço das ações

Leia mais: