Estatais federais investem apenas 39,7% da verba destinada; índice é o menor em seis anos

Atualizado em -

Estatais federais investem apenas 39,7% da verba destinada; índice é o menor em seis anos Freepik
► FMI reduz previsão de crescimento do Brasil de 1,5% para 0,3%► Arrecadação de impostos e contribuições bateu recorde ao chegar a R$ 1,8 trilhão em 2021► Transações correntes registraram déficit de US$ 28,1 bilhões em 2021, diz BC

De acordo com relatório sobre o Orçamento de Investimento publicado pelo Diário Ofical da União (DOU), as estatais federias executaram apenas 39,7% dos recursos destinados para 2021. Este é o menor índice dos últimos seis anos, pior até do que o primeiro ano do governo de Jair Bolsonaro (PL) em 2019, quando ficou em 45,7%.

Foram 64 estatais federais analisadas, sendo 57 do setor produtivo e sete do setor financeiro. Dos valores destinados no Orçamento do ano passado, R$ 87,3 bilhões ficaram parados ao não serem investidos. Assim, dos R$ 144,8 bilhões de verbas destinadas, somente R$ 57,5 bilhões foram efetivamente usados.

O documento mostra que, no terceiro ano da gestão Bolsonaro, R$ 87,3 bilhões que poderiam virar investimentos, na verdade, ficaram parados. Da dotação global de 2021 para essas empresas, que somou R$ 144,8 bilhões, somente R$ 57,5 bilhões foram efetivamente usados.

A maior parte desses recursos foi destinada para a região Sudeste, que recebeu mais da metade do total aplicado (52,6%). O Nordeste recebeu apenas 3,6%, a região Norte 0,7%, Sul ficou com 0,3% e o Centro – Oeste com 0,1%. O restante do valor foi descrito para regiões denominadas de nacional (30,9%) e exterior (11,9%).

A Petrobras (PETR4), estatal ligada ao Ministério de Minas e Energia, aplicou apenas 35,3% de R$ 114,8 bilhões de verba prevista para 2021. A Eletrobras (ELET6) investiu 49,9%, porém seu orçamento foi R$ 42,1 milhões no ano.

As estatais do Ministério da Economia tiveram investimentos que não ultrapassam a marca de 60%. O Banco do Brasil (BBAS3) investiu 53,9% de R$ 3,3 bilhões; a Caixa aplicou 42,6% de R$ 3,5 bilhões; e o BNDES apenas 6,8% de R$ 107,9 milhões. A Empresa de Tecnologia e Informações da Previdência Social (Dataprev) gastou R$ 24,8 milhões de um total de R$ 144,7 milhões.

O pior resultado apresentado foi nos ministérios da Ciência, Tecnologia e Inovações, e o da Saúde. A Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) recebeu R$ 7 milhões para aplicar em 2021, mas utilizou 0,1%. Na Saúde, a Empresa Brasileira de Hemoderivados e Biotecnologia (Hemobrás) investiu 10,1% de R$ 235 milhões.

No Ministério da Infraestrutura, a Companhia das Docas executou apenas 37,3% do orçamento de R$ 1,3 bilhão. Por sua vez, a Infraero teve um investimento um pouco maior com 58,8%, de seu pequeno orçamento de R$ 691 milhões aplicados. A Empresa Gerencial de Projetos Navais (Emgepron), do Ministério da Defesa, executou 64% do orçamento da estatal do ano passado - dotado em R$ 1,6 bilhão.

Nos três anos do governo Bolsonaro, 2020 foi o ano em que as estatais tiveram um desempenho melhor na execução de verba com 69% (85,5 bilhões) dos valores aplicados de um montante de R$ 123,1 bilhões.

Relacionados:

► FMI reduz previsão de crescimento do Brasil de 1,5% para 0,3%► Arrecadação de impostos e contribuições bateu recorde ao chegar a R$ 1,8 trilhão em 2021► Transações correntes registraram déficit de US$ 28,1 bilhões em 2021, diz BC

Leia mais: