Indústria nacional recua 0,2% em novembro; maiores perdas foram no Amazonas e Ceará

Atualizado em -

Indústria nacional recua 0,2% em novembro; maiores perdas foram no Amazonas e Ceará Freepik
► IBGE: inflação oficial fecha 2021 com alta de 10,06%► Setor de serviços cresce 2,4% em novembro, após dois meses de queda► Vendas no varejo crescem 0,6% em novembro, aponta IBGE

Em novembro a indústria nacional recuou 0,2% na série com ajustes sazonais. Dos quinze locais pesquisados, oito apresentaram taxas negativas, segundo o IBGE.

As perdas mais acentuadas foram no Amazonas (-3,5%), Ceará (-2,5%) e Rio de Janeiro (-2,2%) Os estado que registraram as maiores altas foram em Mato Grosso (14,6%), Santa Catarina (5,0%) e Pará (3,5%),

A média móvel trimestral ficou negativa em dez dos quinze locais, liderados novamente pelo Amazonas (-2,5%), O acumulado do ano cresceu em nove dos 15 locais, com destaque para Santa Catarina (12,4%).

A mesma quantidade de dias úteis em relação ao ano anterior não foi suficiente para uma melhora das taxas. Em comparação com novembro de 2020, a indústria nacional teve redução de 4,4%, com dez dos 15 locais pesquisados apontando taxas negativas.

Com o pior desempenho, o estado da Bahia teve queda de 15,7%. O resultado foi influenciado pelos setores de veículos automotores, reboques e carrocerias, metalurgia e celulose, papel e produtos de papel. O restante da Região Nordeste fechou com – 10,5% com recuo em artefatos de couro, artigos para viagem, calçados, além do automobilístico.

No acumulado no ano, frente a igual período do ano anterior, a expansão verificada na produção nacional alcançou nove dos 15 locais pesquisados, com destaque novamente para Santa Catarina (12,4%).

Nos últimos 12 meses podemos observar a redução da intensidade de crescimento, com índice registrando quedas mensais desde agosto.

Relacionados:

► IBGE: inflação oficial fecha 2021 com alta de 10,06%► Setor de serviços cresce 2,4% em novembro, após dois meses de queda► Vendas no varejo crescem 0,6% em novembro, aponta IBGE

Leia mais: