Inflação chinesa desacelera em dezembro após medidas de contenção de preços do governo

Atualizado em -

Inflação chinesa desacelera em dezembro após medidas de contenção de preços do governo Foto de Chris LeBoutillier no Pexels
► Balança comercial tem superávit de US$ 6,1 bi em setembro► Queda na produção do aço chinês puxa bolsa brasileira e Ibovespa encerra em queda de -0,65%► IBGE: inflação oficial fecha 2021 com alta de 10,06%

O Escritório Nacional de Estatísticas (NBS – Sigla em inglês) da China divulgou nesta quarta-feira (12) que a inflação do país desacelerou no mês de dezembro graças à queda no preço dos alimentos e das matérias-primas.

O índice de preços ao consumidor avançou 1,5% em relação ao ano anterior, contra expectativa de alta de 1,8% e registrando 2,3% no mês de novembro. A inflação industrial também caiu após máxima histórica de 13.5% em outubro. No último mês, o Índice de Preços ao Produtor (IPP), fechou em 10,3%.

Essa queda da inflação pode ser relacionada às medidas do governo Chinês para frear o preço das matérias primas e a crise energética. Em nota, Sheana Yue, economista da Capital Economics, alega que a tendência é de baixa também nos próximos meses.

Esse resultado faz com que analistas estudem medidas para aquecer a economia, como corte da taxa de juros.

“A inflação mais baixa abre espaço para o governo afrouxar as políticas monetárias. A probabilidade de um corte de juros está aumentando, na nossa visão”, disse Zhiwei Zhang, economista-chefe da Pinpoint Asset Management, em nota.

O país encerrou 2021 com avanço de 0,9% do preço ao consumidor, sendo que em 2020 o índice foi de 2,5%.

Assista agora ao episódio do 'Mercado na Mesa' e descubra como as suas finanças são impactadas pelas notícias chinesas e como você deve administrar seus investimentos diante do cenário econômico atual.

Relacionados:

► Balança comercial tem superávit de US$ 6,1 bi em setembro► Queda na produção do aço chinês puxa bolsa brasileira e Ibovespa encerra em queda de -0,65%► IBGE: inflação oficial fecha 2021 com alta de 10,06%

Leia mais: