Desemprego cai para 12,1% e atinge 12,9 milhões de pessoas

Atualizado em -

Desemprego cai para 12,1% e atinge 12,9 milhões de pessoas Pexels
► Mercado volta a diminuir projeção para crescimento da economia em 2021► Confiança do comércio tem queda de 2,7 pontos em dezembro, diz FGV

O desemprego no país diminuiu entre os meses de agosto e outubro, segundo aponta dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), divulgada nesta terça (28) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A taxa de desocupação foi de 12,1% no trimestre móvel encerrado em outubro, uma queda de 1,6 ponto percentual (p.p.) na comparação com o trimestre de maio a julho de 2021, quando a taxa ficou em 13,7%. Agora, são 12,9 milhões de pessoas sem emprego. No trimestre imediatamente anterior, eram 14,4 milhões de desempregados.

Já o número de pessoas ocupadas aumentou 3,6%, o que representa 3,3 milhões de pessoas a mais no mercado de trabalho em relação ao trimestre encerrado em julho.

“Essa queda na taxa de desocupação está relacionada ao crescimento da ocupação, como já vinha acontecendo nos meses anteriores. O aumento no número de ocupados ocorreu em seis dos dez grupamentos de atividades, a exemplo do comércio, da indústria e dos serviços de alojamento e alimentação”, destaca a coordenadora de Trabalho e Rendimento do IBGE, Adriana Beringuy.

A ocupação cresceu em seis dos dez grupamentos de atividades: Indústria Geral (4,6%, ou mais 535 mil pessoas), Construção (6,5%, ou mais 456 mil pessoas), Comércio, reparação de veículos automotores e motocicletas (6,4%, ou mais 1,1 milhão de pessoas), Alojamento e alimentação (11,0%, ou mais 500 mil pessoas), Outros Serviços (7,1%, ou mais 304 mil pessoas) e Serviços domésticos (7,8%, ou mais 401 mil pessoas).

O número de empregados com carteira de trabalho assinada no setor privado (excluídos os trabalhadores domésticos) foi de 33,9 milhões de pessoas, um avanço de 4,1% (mais 1,3 milhão de pessoas) frente ao trimestre anterior e crescimento de 8,1% (mais 2,6 milhões de pessoas) em comparação com o mesmo período de 2020.

O número de empregados sem carteira assinada no setor privado chegou a 12 milhões de pessoas, um avanço de 9,5% em relação ao trimestre anterior e 19,8% em relação a igual trimestre de 2020.

Relacionados:

► Mercado volta a diminuir projeção para crescimento da economia em 2021► Confiança do comércio tem queda de 2,7 pontos em dezembro, diz FGV

Leia mais: