Futuros investidores: pais deixam poupança para trás e apostam em investimentos para os filhos

Atualizado em -

Futuros investidores: pais deixam poupança para trás e apostam em investimentos para os filhos Andrea Piacquadio | Pexels
► Como suas emoções afetam suas decisões financeiras► Gastos Invisíveis: pequenos gastos com um grande peso no seu bolso

Abrir uma poupança para os filhos logo depois do nascimento foi, por muito tempo, uma meta de pais que buscavam conforto financeiro para o futuro.

Com o crescimento da educação financeira entre os brasileiros e o acesso cada vez maior a diferentes tipos de investimentos, a ideia de abrir uma poupança já não é mais tão atrativa.

Agora, muitos pais buscam opções mais rentáveis e que possam, também, ser uma porta de entrada para criarem filhos que também serão futuros investidores.

Um levantamento feito pelo Instituto Locomotiva a pedido da XPeed no final de 2020 aponta que quatro em cada dez entrevistados (41%) passaram a pesquisar mais sobre educação financeira durante a pandemia. Para 47% dos participantes, a pandemia contribuiu para que fossem feitos mais planos sobre o futuro. E 53% apontaram que a chegada da Covid os incentivou a sair da zona de conforto.

Embora muita coisa ainda possa melhorar, é fato que a educação financeira ganha cada vez mais espaço na vida dos brasileiros.

Para começar a ensinar

Se os pais desejam, primeiro, ensinar seus filhos a lidarem com o dinheiro, é possível abrir uma conta corrente com cartão próprio na conta do adolescente, por exemplo. Esse primeiro passo é importante para que o menor de idade saiba administrar os valores que possui e aprenda a gastar apenas o que tem. Esse é um bom momento, também, para ensinar a guardar uma parte do que ganha e, no futuro, investir essas sobras.

O Banco Inter (BIDI), que alcançou o número de 14 milhões de clientes no terceiro trimestre de 2021, tem entre suas opções a abertura de uma conta Kids digital. Para abrir a conta, é preciso apresentar RG e CPF do menor de idade e dados do responsável. Nessa modalidade, o Inter libera apenas cartão de débito, ou seja, não será possível dar um cartão de crédito ao adolescente. Além disso, o menor de idade não poderá investir em ações pela plataforma do Inter.

Outras instituições como Banco do Brasil e Bradesco também têm a possibilidade de abertura de contas para menores de idade. No caso do Banco do Brasil, a conta é acessível a jovens com idade entre 12 e 21 anos incompletos e dá direito a cartão e cheque. O Bradesco ainda permite a "mesada programada" e o responsável pode inserir limite de movimentação diária na conta.

O empresário Alessandro Luiz abriu uma conta para a filha de 15 anos para ensiná-la a lidar com o que ganha. "Eu dou uma quantia fixa mensal, mas se ela fizer algumas tarefas em casa, como limpar a garagem, por exemplo, eu também recompenso e deposito o dinheiro na conta. Também ensino a administrar os valores e sempre deixar uma sobra para alguma emergência", conta.

Investimentos

Independente da idade, diversas corretoras já admitem a abertura de contas para menores de idade com a supervisão dos responsáveis. Nesse caso, é preciso que a criança ou adolescente tenha uma conta corrente. Ele pode ser titular ou segundo titular, mas é preciso vincular seu cadastro na corretora a uma conta corrente válida.

Para começar no mundo dos investimentos, o ideal é ensinar o jovem a estudar sobre o tema e desenvolver a consciência da importância de fazer o dinheiro render. Investimentos de renda fixa são a melhor forma de iniciar, já que possuem uma segurança maior em relação aos resultados.

O investimento em ações exige ainda mais estudo, por isso o ideal é que os pais comecem por opções mais conservadoras para, só depois, ensinarem os filhos a aplicarem na bolsa de valores.

Educação Financeira para jovens e adolescentes

Em agosto deste ano, o Ministério da Educação (MEC), em parceria com a Comissão de Valores Imobiliários (CVM) divulgou um projeto para capacitação de professores do 9º ano do Ensino Fundamental e da 1ª série do Ensino Médio de escolas públicas municipais, estaduais e militares de todo o país. Com cursos gratuitos, através de uma plataforma online, os profissionais terão conhecimento para fazer com que temas como planejamento financeiro, gestão das finanças pessoais e investimentos façam parte do dia a dia de crianças e adolescentes.

Quer saber como ensinar educação financeira para o seu filho? Ouça o episódio do Mercado1M Entrevista:

Relacionados:

► Como suas emoções afetam suas decisões financeiras► Gastos Invisíveis: pequenos gastos com um grande peso no seu bolso

Leia mais: