Brasil corta em 10% as tarifas de importação de cerca de 87% dos bens e serviços importados

Atualizado em -

Brasil corta em 10% as tarifas de importação de cerca de 87% dos bens e serviços importados Shutterstock
► Paulo Guedes diz que FMI "vai errar de novo" e projeta crescimento de mais de 2% em 2022► Para pagar Auxílio Brasil, Paulo Guedes admite que pode usar dinheiro fora do teto de gastos

Nesta sexta-feira (05) o governo brasileiro anunciou a redução em 10% das tarifas de importação de aproximadamente 87% dos bens e serviços importados. A decisão foi do Comitê Executivo de Gestão da Câmara de Comércio Exterior (Camex) e tem validade até o dia 31 de dezembro de 2022.

Em nota conjunta, publicada pelo Ministério da Economia e das Relações Exteriores, o governo declarou que a medida “justifica-se pela situação de urgência trazida pela pandemia de Covid-19 e pela necessidade de poder contar, de forma imediata com instrumento que possa contribuir para aliviar seus efeitos negativos sobre a vida e a saúde da população brasileira”.

Hoje, o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que a redução nas tarifas de importação ajudará a moderar a inflação no país. O mesmo comentou o corte nas alíquotas durante sua participação na terceira edição da Conferência de Comércio Internacional e Serviços do Mercosul, promovida pelo Conselho de Câmaras de Comércio do bloco econômico.

“A nossa Tarifa Externa Comum (TEC) ainda é muito elevada e isso num momento como o atual, em que nós temos uma pressão inflacionária forte na economia brasileira e gostaríamos de dar um choque de oferta, facilitar a entrada de importações para dar uma moderação nos reajustes de preços, é o momento ideal para fazer uma abertura, ainda que tímida, da economia”, explicou o ministro.

A medida foi acordada com a Argentina no início de outubro, mas necessitava da aprovação dos outros sócios do bloco, Paraguai e Uruguai, para entrar em vigor. Depois de aprovada, a decisão atinge 87% dos produtos de fora do Mercosul.

Em relação aos automóveis e produtos sucroalcooleiros, com a decisão, um produto que paga 12% para ingressar no Brasil, pagará 10,8%. De acordo com o Ministério da Economia, a TEC média do Mercosul está em torno de 13%, contra média de 4% e 5% observada no resto do mundo.

O Ministério da Economia e o Itamaraty ressaltaram que a redução é temporária, e o governo brasileiro continuará trabalhando para modernizar o Mercosul e reformular a TEC, que nunca foi revisada em mais de 25 anos.

“O Brasil permanece plenamente engajado nas negociações em curso no Mercosul. Os Ministérios da Economia e das Relações Exteriores reiteram o caráter excepcional e temporário da presente resolução, ao mesmo tempo em que reafirmam seu compromisso com o Mercosul”, apontou o comunicado.

Relacionados:

► Paulo Guedes diz que FMI "vai errar de novo" e projeta crescimento de mais de 2% em 2022► Para pagar Auxílio Brasil, Paulo Guedes admite que pode usar dinheiro fora do teto de gastos

Leia mais: