Gasolina chega aos R$ 7, Petrobras melhora desempenho e brasileiros buscam alternativas

Atualizado em -

Gasolina chega aos R$ 7, Petrobras melhora desempenho e brasileiros buscam alternativas Divulgação
► Petrobras mostra resultado melhor do que o esperado com lucro de R$ 42,8 bilhões► Atem planeja aumentar oferta de derivados com a compra da refinaria Reman da Petrobras

O brasileiro já se acostumou a receber a notícia de aumento da gasolina no país. Desde janeiro deste ano, já foram nove altas realizadas pela Petrobras. Em alguns estados, o litro da gasolina já passa dos R$ 7. Para quem trabalha longe de casa ou para quem usa o carro como parte da profissão, está ficando difícil fechar a conta no final do mês.

O maior obstáculo no caminho para a redução do preço dos combustíveis é a conta complexa realizada desde a saída da refinaria até a chegada ao posto onde o consumidor abastece. Atualmente, o preço da gasolina é composto de valores que incluem distribuição e revenda; custo do etanol anidro; ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviço), cobrado pelos Estados; tributos federais; e da realização da Petrobras, ou seja, custo da gasolina quando sai da refinaria.

gasolina.jpg

Fonte: Petrobras

Entre os principais fatores que explicam o aumento da gasolina estão a elevação do preço do petróleo no exterior, o tipo Brent, que é referência para o mercado brasileiro e já subiu 37% nesse ano, e a alta do dólar.

Petrobras cresce

Na ponta da linha, a Petrobras (PETR3;PETR4) tem aumentado seus investimentos e registrou resultados positivos no segundo trimestre de 2021. Entre os meses de abril e junho, a Companhia investiu US$ 2,4 bilhões, superior aos US$ 301 milhões recebidos com a venda de ativos, e ampliou em 22% o total investido em 12 meses

Em relação aos resultados, a Petrobras registrou lucro líquido de R$ 42,855 bilhões no 2T21, número muito acima do esperado por analistas, que indicavam lucro de R$ 30,7 bilhões. A receita líquida no período foi 28,5% superior ao 1T21, atingindo R$ 110,7 bilhões, principalmente devido à valorização de 13% nos preços do Brent e ao aumento do volume de vendas de derivados no mercado interno e das exportações.

Nesta semana, o Bank of America elevou o preço-alvo para a Petrobras (PETR4) de R$ 37,50 para R$ 41, mostrando otimismo em relação ao futuro da Companhia. No comunicado, o banco justificou a decisão pela melhora nos lucros e pela "saúde financeira" da estatal. Para as ADRs, o alvo passou de US$ 14,50 para US$ 15,50.

Gás Natural Veicular

Em busca de uma alternativa mais barata, muitos brasileiros têm buscado informações sobre o gás natural veicular (GNV), combustível que deixa o carro mais econômico, tem o custo mais baixo e gera menos poluição. Segundo dados da Gerência de Petróleo, Gás e Naval da Federação das Indústrias fluminenses (Firjan), o mercado registrou crescimento de 15% no volume nacional de instalações do kit-GNV em automóveis no segundo trimestre do ano.

Mas, será que vale a pena trocar a gasolina e o etanol pelo GNV?

  • Menos poluição:

Por ter uma queima mais limpa, o GNV gera menos poluição para o meio ambiente. Quando comparado com os combustíveis tradicionais em ambiente urbano, o GNV pode reduzir as emissões de monóxido de carbono em 76%, de óxido de nitrogênio em 84% e de hidrocarbonetos pesados em 88%, e quase que elimina as emissões de benzeno e gases cancerígenos.

  • Mais barato:

Segundo informações da Firjan, para cada real gasto com GNV, o motorista roda duas vezes mais do que em comparação com a gasolina e o etanol. Enquanto a gasolina se aproxima dos R$ 7 o litro, o preço médio do metro cúbico do GNV é de R$ 2,99, diferença considerável entre os dois combustíveis.

  • Instalação cara:

Apesar de ser mais econômico, instalar o kit-GNV no veículo demanda um alto investimento. O equipamento custa entre R$ 4 mil e R$ 6 mil e tem ficado cada vez mais caro com o aumento dos preços dos cilindros de aço.

  • Espaço no porta-malas:

A instalação dos cilindros do GNV ocupa um espaço importante no porta-malas e é preciso avaliar se isso compromete viagens, por exemplo, quando o usuário precisa de espaço para malas.

  • Queda no desempenho:

Os motores convencionais não foram projetados para aproveitar a combustão do GNV, que queima de forma mais lenta do que os combustíveis líquidos. Por isso, em alguns casos, pode acontecer uma perda de desempenho de até 20% dependendo do veículo. É preciso analisar se a economia compensa essa alteração.

  • Poucos postos de abastecimento:

Embora esteja crescendo, o GNV ainda não é encontrado em todos os postos de combustíveis. Antes de instalar o kit, o motorista deve verificar se há um posto próximo à sua residência ou no caminho que faz para ir ao trabalho, por exemplo.

Relacionados:

► Petrobras mostra resultado melhor do que o esperado com lucro de R$ 42,8 bilhões► Atem planeja aumentar oferta de derivados com a compra da refinaria Reman da Petrobras

Leia mais: