Na TV, ministro admite crise hídrica; governo cria grupo para adotar medidas contra apagão

Atualizado em -

Na TV, ministro admite crise hídrica; governo cria grupo para adotar medidas contra apagão
► Lira indica deputados Celso Sabino e Luiz Carlos Motta para relatorias da reforma tributária► Dívida Pública Federal sobe 1,82% em maio e vai para R$ 5,17 trilhões

O país enfrenta uma crise hídrica e precisa usar a água e a energia de forma consciente e responsável. As palavras foram ditas pelo Ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, durante pronunciamento na TV nesta segunda-feira (28). No mesmo dia, o presidente Jair Bolsonaro assinou Medida Provisória que institui a Câmara de Regras Excepcionais para Gestão Hidroenergética, grupo colegiado que será responsável por adotar medidas emergenciais e para garantir a continuidade e a segurança do suprimento de energia elétrica no país.

Na TV, Bento Albuquerque afirmou que "o uso consciente e responsável de água e energia reduzirá consideravelmente a pressão sobre o sistema elétrico, diminuindo também o custo da energia gerada". Ao admitir a crise, o ministro fortalece os temores de um possível racionamento. Na semana passada, o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), chegou a dizer que o governo planejava executar um plano de racionamento "educativo" de energia a fim de evitar um apagão. Diante da polêmica causada pela frase, Lira voltou atrás e disse que o plano seria estimular o uso eficiente de energia.

Em Medida Provisória assinada nesta segunda, o governo determina que a Câmara de Regras Excepcionais para Gestão Hidroenergética terá duração prevista até 30 de dezembro e será composta por representantes de seis ministérios: Minas e Energia, Economia, Infraestrutura, Agricultura, Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional. Entre as atribuições do grupo está a definição de diretrizes obrigatórias para estabelecer limites de uso, armazenamento e vazão das usinas hidrelétricas e outras medidas mitigadoras do baixo volume dos reservatórios.

Nesta terça-feira (29), a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) vai se reunir para definir o valor do reajuste das bandeiras tarifárias que entrará em vigor a partir de julho.

Relacionados:

► Lira indica deputados Celso Sabino e Luiz Carlos Motta para relatorias da reforma tributária► Dívida Pública Federal sobe 1,82% em maio e vai para R$ 5,17 trilhões

Leia mais: