Hipermercados lucram com alta de 50% na venda de produtos naturais durante a pandemia

Atualizado em -

Hipermercados lucram com alta de 50% na venda de produtos naturais durante a pandemia Pixabay
► Pesquisa confirma aumento do consumo de alimentos saudáveis durante pandemia► CNC: Intenção de consumo das famílias cresce pela quinta vez consecutiva

Uma pesquisa realizada pela Associação Nacional da Produção Orgânica e Sustentável (Organis) apontou que a venda de produtos naturais teve alta de cerca de 50% no primeiro semestre de 2020. Com isso, os produtos orgânicos se tornaram uma aposta para as grandes redes de hipermercados. O estudo da Organis também revelou que mais de 50% da população ainda opta, preferencialmente, por comprar esse tipo de item em supermercados.

Nesse cenário, este tipo de produto vem ganhando cada vez mais espaço no setor supermercadista. Algumas das principais redes do país já contavam com um espaço especial dedicado para esses alimentos.

O Grupo Pão de Açúcar (PCAR3), através da sua própria marca Taeq, oferta mais de 600 produtos orgânicos em todas suas lojas espalhados pelo Brasil. O grupo ainda apostou em um setor chamado 'Espaço Saudável', onde são comercializados produtos orgânicos naturais sem açúcar, lactose e glúten.

"A demanda dos consumidores é crescente e o movimento das pessoas que buscam adotar hábitos mais equilibrados em suas dietas também. Alguns querem uma alternativa para a substituição de produtos produzidos a partir de proteína”, explica o Gerente de Desenvolvimento Comercial do Pão de Açúcar, André Martin.

Caminhando nessa mesma linha, em 2018, o Carrefour (CRFB3) implementou o projeto 'Sabor & Qualidade', com um espaço dedicado em suas lojas para produtos orgânicos. Segundo a companhia, os itens seguem critérios de sabor, qualidade, autenticidade, preço e sustentabilidade.

As iniciativas dessas grandes redes de supermercados buscam se adequar a mudança na alimentação por parte dos consumidores. A tendência para os próximos anos é que as pessoas sigam modificando hábitos de consumo para terem uma vida mais sadia.

“Já faz algum tempo que a saudabilidade tem sido um fator importante na hora das compras não só no Brasil, mas em todo o mundo. Agora, o movimento ganha mais força”, afirma Giovanna Fischer, Diretora de Marketing e Consumer Insights da Kantar Worldpanel, empresa especializada em comportamento de consumo.

Segundo um estudo realizado pela NutriNet Brasil, durante a pandemia ocorreu um aumento de 4,4% no consumo de produtos saudáveis. As pessoas, além de terem suas rotinas habituais alteradas, também optaram por mudar sua alimentação.

Esse aumento - tanto do consumo de produtos saudáveis quanto das vendas - aconteceu em um ano positivo para o setor supermercadista.

Entre junho e setembro de 2020, as vendas brutas consolidadas do Carrefour atingiram R$ 19,3 bilhões e o lucro líquido foi de R$ 757 milhões. O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (EBITDA) registrado no período foi de R$ 1.339 bilhão.

"A empresa apresentou um desempenho notável no terceiro trimestre, com crescimento recorde de vendas e rentabilidade impressionante. Essa tendência tem se mantido até hoje. O crescimento das vendas e do EBITDA ajustado no Atacadão e no Carrefour Varejo subiram fortes dois dígitos. O Banco Carrefour está retomando o crescimento com fundamentos sólidos, após os ajustes necessários relacionados ao cenário da Covid-19", destaca Noël Prioux, CEO do Grupo Carrefour Brasil.

Já o Grupo Pão de Açúcar apresentou um lucro líquido de R$ 386 milhões no terceiro trimestre de 2020. Segundo os dados divulgados pela empresa, no período a receita das vendas foi de R$ 21,3 bilhões.

Em relação aos produtos naturais, a Taeq registrou alta de 40% nas vendas de julho, em comparação com o resultado de março. Os principais destaques nas vendas foram: frutas, folhagens e molhos.

Expectativa para 2021

Segundo a previsão de algumas entidades que acompanham o setor, a tendência é que o consumo de produtos saudáveis se mantenha em 2021. Portanto, deve aumentar ainda mais o cenário positivo das vendas de produtos naturais.

Em nota, a Associação de Brasileira de Supermercados ressaltou que a pandemia do novo coronavírus acelerou a tendência de compra de alimentos orgânicos pela internet e essa deve ser mais uma das expansões no setor para o atual ano.

Relacionados:

► Pesquisa confirma aumento do consumo de alimentos saudáveis durante pandemia► CNC: Intenção de consumo das famílias cresce pela quinta vez consecutiva

Leia mais: