IBGE: novembro teve desemprego recorde de 14,2%; 41% das moradias receberam auxílio do governo

Atualizado em -

IBGE: novembro teve desemprego recorde de 14,2%; 41% das moradias receberam auxílio do governo Agência Brasília
► IBGE: Desemprego (14,6%) e ocupação (82,5 milhões) chegam a piores índices da série histórica► Instituição ligada ao Senado estima que pandemia irá obrigar governo a gastar mais em 2021

O IBGE divulgou hoje que o Brasil encerrou o mês de novembro com taxa de desemprego de 14,2% - o que significa um contingente de 14 milhões de desempregados. Houve estabilidade na comparação com outubro (14,1%).

Os números vêm crescendo sucessivamente desde julho, quando aumentou a procura por vagas de trabalho após o relaxamento das medidas de restrição.

"Esse aumento da população desocupada ocorreu, principalmente, na região Nordeste. Nas demais regiões houve estabilidade e, no Sul, houve queda na desocupação", disse Maria Lucia Vieira, coordenadora da pesquisa.

Os dados estão na Pnad Covid19 e não na Pnad Contínua, que é o indicador oficial do desemprego. Pela Pnad Contínua, o desemprego está em 14,6%, com dados referentes ao terceiro trimestre do ano.

"A redução do auxílio pode estar fazendo sim com que as pessoas precisem retornar ao mercado de trabalho", avaliou Maria Lúcia.

Ainda de acordo com a pesquisa, o percentual de residências que recebeu algum auxílio relacionado à pandemia caiu de 42,2% em outubro para 41% em novembro. As regiões Norte e Nordeste foram as que apresentaram os maiores percentuais: 57% e 55,3%.

Caged

O Ministério da Economia divulgou hoje os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). Foram 414 mil vagas de emprego criadas em novembro. No ano, o saldo acumulado é positivo, com 227.025 postos de trabalho criados ao longo do ano.

Relacionados:

► IBGE: Desemprego (14,6%) e ocupação (82,5 milhões) chegam a piores índices da série histórica► Instituição ligada ao Senado estima que pandemia irá obrigar governo a gastar mais em 2021

Leia mais: